[Resenha] Amor amargo

Autor (a): Jennifer Brown
Editora: Gutenberg – Brasil
Páginas: 256
Classificação: 5

Anúncios

download (1)Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado, local para onde sua mãe estava indo quando morreu em um acidente. O Dia da Viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. Até Cole aparecer. Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade…

Difícil falar desse livro, é um livro muito forte, com um assunto muito difícil de ser abordado.

É difícil entender as situações como a que a Alex passou, e aguentou quieta, e o livro aborda esse assunto de forma tão real, que é difícil digerir.

O livro fala sobre o relacionamento da Alex com o Cole, o Cole é aluno novo no colégio.

A Alex tem dois melhores amigos que andam com ela, a Bethany e o Zack, que se conhecem desde criança, e planejam uma viagem para o Colorado, pois era pra lá que a mãe da Alex estava indo quando sofreu um acidente, e ela quer saber porque a mãe dela estava indo pra lá.

A Alex vive com o pai e tem duas irmãs, mas só mora com uma delas, já que a mais velha faz faculdade em outra cidade.

Mas o pai dela só trabalha, e a irmã é um pouco mais nova e não gosta das mesmas coisas que ela, então ela sente que sua família são Bethany e Zack.

Até que o Cole entra na escola e precisa de aulas de reforço para entrar no time, ele é bonito, é atleta, é muito legal, trata ela super bem, e ela começa a gostar mais dele.

Eles estão namorando, ele a  trata tão bem, que ela fica impressionada como ele é legal, mas ela começa a passar mais tempo com ele, e não passa muito tempo com a Beth e o Zack, que não gostam muito dele, pois acham ele um pouco estranho.

E a Alex nota que o Cole tem um pouco de ciúme do Zack, então ela se afasta um pouco deles, mas o ciúme do Cole é normal.

A Alex acha as reações dele muito normais, como ele esperar ela no trabalho todos os dias que ela tem que trabalhar.

Mas ela percebe que ele é um pouco mais ciumento do que ele imaginava, e percebe que quando ele fica nervoso, ele fica um pouco agressivo nas reações, principalmente quando é com os amigos dela.

Mas um dia o Cole fica muito nervoso e ele age de uma forma que ela não imaginava.

Ela fica assustada, mas ele age normalmente com ela e ela acha que foi uma reação, que ele não é assim.

Mas ele fica nervoso de novo, e ela começa a perceber que quando ele fica nervoso, isso é normal, que é normal ele ter essas reações, mas que também é normal ele tratá-la bem, e é isso que mexe com ela, que a deixa tão na dúvida do que fazer, porque ela gosta dele, e quando ele a trata bem, ela não consegue lembrar de quando ele fica nervoso.

O que é difícil imaginar como ela vive assim, é porque ela sabe que não deve aceitar isso, ela sabe que não pode deixar ele fazer essas coisas e depois achar que é normal, mas ela não consegue.

É difícil ver a Alex passar por essas situações e se culpar, sentir vergonha, mas a gente percebe como o Cole é legal quando ele quer, e por isso nós entendemos porque a Alex aceita, não quer dizer que ache aceitável, mas entendo o que a Alex pensa, e quais são seus motivos para passar por isso.

Concluindo – É um livro muito forte, muito difícil de digerir, mas é um livro muito bom, porque nos faz entender as pessoas que passam por isso, o que elas pensam para passar por essas situações.

Mostra como não devemos julgar sem saber os motivos delas, e a autora soube escrever isso de forma maravilhosa, vale muito a pena ler.

Beijos e ótima leitura.

 

[Resenha] Uma noite para se entregar

Autor (a): Tessa Dare
Editora: Gutenberg – Brasil
Páginas: 288
Classificação: 3,5

download (1)Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens-mulheres: bem-nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres descobrindo e desenvolvendo seus talentos.
O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir doze homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável.
Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.

Hoje vamos falar do livro Uma noite para se perder, da série Spindle Cove.

É um romance histórico e conta a história da Susanna, que mora na vila Spindle Cove, e ela é considerada, não como autoridade, mas ela tem muita influência na vila, pelo que ela faz com as mulheres que vão a Spindle Cove.

Essa vila tem uma pousada que hospeda mulheres durante o verão, para meio que fazerem o que gostam, sem pensar no que é importante para a sociedade. É para aquelas mulheres que não se comporta a sociedade do jeito que uma dama deve se comportar.

Naquela época, as mulheres não podiam ser muito inteligentes ou ter opinião sobre algo, pois isso eram coisas de homem.

E a Susanna é assim, é inteligente, fala o que pensa e é muito moderna para sua época, e não se importa se não deveria agir dessa forma, e o que ela faz, é mostrar para as mulheres que elas podem ser assim, que elas podem agir da forma que elas querem.

Quando falamos que a Susanna cuida delas, imaginamos que ela seja uma senhora, mas não, ela tem 25 anos, e mesmo assim quer fazer isso para as mulheres da vila.

Spindle Cove é uma vila muito tranquila, mesmo no verão quando as mulheres se hospedam lá.

Até que chega um tenente -coronel Victor Branwell para falar com Sir Lewis Finch. Mas antes de chegar a casa de Lewis, ele tem que passar por umas ovelhas que estão atrapalhando a carruagem dele, e causa um pouco de confusão assim que chega.

Mas já comentamos que a vila é tranquila, então qualquer comportamento estranho, todo mundo já se assusta.

É quando a Susanna vai ver o que está acontecendo e dá de cara com o Bram, que faz algo totalmente inesperado.

Mas o que ele não sabe é que ela é Susanna Finch, filha do homem que ele vai visitar, e que o seu comportamento com Susanna pode atrapalhar o que ele vai fazer.

Mas aí começa aquilo que nos já conhecemos, eles brigam, porque a Susanna o acha muito grosseiro, ele a acha muito intrometida e que acha que sabe muito.

Mas sabemos que logo eles vão se apaixonar.

É um romance clichê, mas é muito gostoso de ler.

Gostei da protagonista, ela é forte, inteligente, não aceita tudo que a sociedade diz, passou algo que ela tem muito trauma, assim como Bram, ela também tem coisas que ela não quer falar pra ninguém, mas fala pra ele, passa a querer compartilhar os assuntos que ela tem vergonha, medo, e ele também passa a compartilhar assuntos com ela.

Isso gera muito admiração um no outro, eles começam a se gostar mais, ele a acha muito forte, decidida, inteligente, e ela o acha muito corajoso, forte.

É muito legal a forma que mostram eles se conhecendo de verdade, conhecendo os segredos, mesmo que seja um romance clichê, a autora conseguiu mostrar outros assuntos interessantes.

Concluindo – É uma leitura muito gostosa, aquele romance clichê que a gente adora ler e vale muito a pena a leitura.

 

Beijos.

 

Anexos

Autor (a): Rainbow Rowell
Editora: Novo Século – SP
Páginas: 368
Classificação: 4

downloadBeth Fremont e Jennifer Scribner-Snyder sabem que alguém está monitorando seus e-mails de trabalho. (Todo mundo na redação sabe. É política da empresa.) Mas elas não conseguem levar isso tão a sério, e continuam trocando e-mails intermináveis e infinitamente hilariantes, discutindo cada aspecto de suas vidas.
Enquanto isso, Lincoln O’Neill não consegue acreditar que este é agora o seu trabalho – ler os e-mails de outras pessoas. Quando ele se candidatou para ser “agente de segurança da internet”, se imaginou construindo firewalls e desmascarando hackers – e não escrevendo um relatório toda vez que uma mensagem esportiva vinha acompanhada de uma piada suja. Quando Lincoln se depara com as mensagens de Beth e Jennifer, ele sabe que deveria denunciá-las. Mas ele não consegue deixar de se divertir e se cativar por suas histórias. No momento em que Lincoln percebe que está se apaixonado por Beth, é tarde demais para se apresentar. Afinal, o que ele diria…?

 

E a resenha da vez é Anexos, da Rainbow Rowell.

Pra ser sincera, eu demorei um pouco pra ler esse livro, porque achei meio chato no começo, achei que no começo a escrita não é fluida o bastante, pra me deixar com vontade de ler, mas depois percebi que eu precisava ler com mais vontade, sem pensar na escrita ou que o livro é chato, porque acho que quando estamos lendo, pensar esse tipo de coisa nos atrapalha na leitura, pois depois achei o livro muito interessante.

Ele conta a história do Lincoln, que é o famoso cara do TI em um jornal, mesmo que ninguém saiba o nome dele, mas isso em 1999, quando a internet estava começando a ganhar espaço nas empresas.

Ele trabalha a noite no jornal, e a função dele basicamente é ler os emails dos funcionários, isso mesmo, ele tinha que bisbilhotar os funcionários, isso porque no jornal é proibido trocar emails pessoais, e ele tinha que enviar notificações de advertência para quem ficasse conversando sobre coisas pessoais no trabalho, ele devia fazer isso com todos os funcionários, menos dois, ou duas, melhor dizendo.

Isso porque tem duas funcionárias específicas que aparecem todo dia nesse filtro de email pessoal que ele recebe, a Beth, que é colunista de cinema no jornal, e a Jennifer que é revisora. Elas são muito amigas, e ficam o dia inteiro conversando no trabalho, e por isso o Lincoln deveria mandar advertência pra elas, mas ele não consegue, porque ele começa a gostar delas, se sentir como se fosse amigo delas, já que ele sabe tudo que elas conversam.

Ele faz isso, porque ele trabalha a noite, então ninguém sabe quem ele é, ele é tímido, então ele não sai muito, não é de conversar muito, então ele tem essa dificuldade de interação, fora que ele não gosta do trabalho dele, ele acha que ganha pra não fazer nada, só pra bisbilhotar a vida das pessoas, e trabalha a noite, que ele também não gosta, só que ele não procura outro emprego, não sai pra conhecer gente nova e ainda mora com a mãe, o que o deixa meio que sem privacidade, e sente como se não tivesse fazendo nada importante pra ele, por isso que quando ele lê os emails da Beth e da Jennifer, ele não manda advertência, porque ele quer que elas continuem conversando, pra ele continuar lendo as conversas, mesmo que ele ache isso errado.

O fato dele morar com a mãe só começou a incomodá-lo nesse emprego, quando ele parou pra pensar que ele não está fazendo nada importante, e ele repara que a única coisa que ele gosta, é de ler os emails das duas.

Mas nessa leitura de email, ele começa a gostar demais do jeito que a Beth escreve, ele a acha engraçada, inteligente, e ele que pensava que as duas eram como se fossem amigas dele, começa a ver a Beth de uma forma diferente, mas ele não sabe como ela é, ele nunca viu as duas pessoalmente, não sabe como a Beth é fisicamente, e mesmo assim ele se apaixona por ela, e ela que o viu algumas vezes, mesmo sem saber que ele é o cara que lê os emails dos funcionários, começa a chamá-lo para a Jennifer de ” O cara fofo”, mesmo sem ela saber que ele está lendo, e ele não sabe que ele é o cara fofo da Beth.

Quando ele se apaixona por ela, ele percebe que tem que começar a fazer algumas coisas de verdade, como se exercitar, sair da casa da mãe, procurar outro emprego, sair mais, ou qualquer coisa, porque ele percebe que precisa fazer algo pra ele.

O legal desse livro é que nós percebemos o crescimento pessoal dos três personagens, principalmente do Lincoln.

Esse livro é um romance, mas a autora antes de mostrar o romance, ela mostra como cada personagem evolui, cresce, e quando os personagens estão mais maduros, é que ela mostra o romance.

Concluindo – Como eu já disse, é um livro de romance, mas também é um livro de reflexão, crescimento, amadurecimento, e também de humor, pois os emails da Beth e da Jennifer são bem legais e muitas vezes bem humorados. Vale a pena ler.

Beijos e ótima leitura.

 

O ar que ele respira

Autor (a): Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Páginas: 308
Classificação: 5

downloadComo superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.

 

O livro de hoje é O ar que ele respira.

Quando vi esse título, sinceramente não deu muita vontade de ler, porque eu achei que seria muito parecido com os livros que eu estava lendo, clichê e chato, então não fiquei com vontade de ler.

Até que eu li resenhas que mostravam outra coisa, uma história emocionante, dramática e pesada, pelo que acontece com os protagonistas, que não é o habitual ver nos livros de romance.

E quando comecei a ler, foi exatamente isso, claro que tem alguns clichês, mas no geral é um livro totalmente emocionante, e por isso, achei que muitas vezes a autora exagerou no drama, mas isso não fez com que o livro perdesse a qualidade, ou tornasse um livro chato, talvez a autora tenha exagerado, por ser essa a ideia do livro, ser um livro dramático e emocionante.

O livro conta a história da Elizabeth, que perdeu o marido (isso não é spoiler, são as primeiras paginas do livro) e tem que criar a filha. Como ela não estava aguentando ficar na sua casa e cidade, ela decide ir passar um tempo na casa da mãe, para se recuperar, mas ela vê que essa não foi a melhor decisão, porque a sua mãe não fica muito em casa, e sai com muitos homens, e a Elizabeth não acha que isso seja bom para sua filha Emma, e decide ir para sua cidade novamente.

O livro conta também do Tristan, que perdeu mulher e filho (também não é spoiler), e isso o deixa completamente devastado, perdido, bravo, revoltado, e não é pra menos, já que a vida que ele tinha muda completamente.

Ele se muda de cidade com o seu cachorro, que era o cachorro do filho dele, e passa a não se cuidar mais, não cuidar da casa que ele está morando, e o fato de  não cuidar mais da sua aparência física, o torna mais bruto, que é o que ele quer para que ninguém tenha vontade de conversar com ele, ele não quer ter que explicar sua história.

Ele conhece a Elizabeth de uma forma inesperada, e quando a Elizabeth o conhece, ela fica com vontade de conversar com ele, de conhecê-lo melhor, e ele deixa bem claro que não quer conversar com ela.

E nessa curiosidade que ela tem de conhecê-lo melhor, ela vai tentando de várias formas conversar com ele, e ele começa a querer conhecê-la melhor.

Como eu já disse, é um livro super emocionante, tem uma história bem pesada, porque a história desses personagens, o que eles passam, o que eles tem que enfrentar, são muito difíceis.

O livro mostra uma superação muito difícil, muito pesada, e acho que o livro inteiro é isso, eles se esforçando pra superar tudo, pra serem fortes e pra se ajudar, mas tem umas partes mais leves da Elizabeth com a sua amiga, e é bom que a história não fica pesada o livro inteiro.

Concluindo – Esse livro tem clichê, mas não é um livro que eu estou habituada a ler, é uma drama forte, pesado, mas que também é de muita superação, reflexão, emoção, e isso torna a história muito gostosa de ler, vale muito a pena ler esse livro.

Beijos e ótima leitura.

 

 

Extraordinário

Autor (a): R. J. Palacio
Editora: Intrinseca
Páginas: 320
Classificação: 5

download-5August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

 

 

E hoje vou falar de um dos melhores livros que eu já li, Extraordinário.

Ele conta a história do Auggie, que é um menino que nasceu com o rosto diferente, e por isso é sempre o assunto e motivo de olhares por onde passa.

Realmente o rosto dele não deve ser fácil de olharmos no primeiro momento, porque não estamos habituados a rostos como os dele.

E isso na nossa sociedade é o que realmente importa, não é?

Um rosto bonito, ou pelo menos “normal”.

E que bom que a R.J. Palacio escreveu esse livro, porque nele percebemos que não é um rosto bonito ou “normal” que realmente importa.

Mas é claro que não é preciso ler esse livro para saber disso, não é?

Precisamos sim, porque por mais que tentemos convencer os outros, ou a nós mesmo que isso não importa, na verdade sabemos que importa.

E quando começamos a conhecer o Auggie, vamos ficando bravos, pelo menos eu fiquei, com os preconceitos ou pré-conceitos bobos que temos, porque as vezes deixamos de prestar atenção no que realmente importa, que é a beleza interior.

Lendo esse livro vamos nos apegando a história, a família do Auggie, que é tão legal e tão protetora.

Como já falei, o Auggie não tem o rosto comum, ele já passou por diversas cirurgias e nunca frequentou uma escola, a mãe dele que o ensinava em casa, mas apesar de não ter uma educação escolar comum, ele é muito inteligente, como se tivesse frequentado a escola normalmente.

Até que ele vai para a escola, para o 5º ano, e como não foi diferente do que ele pensava, foi muito difícil, porque ele tem que lidar com os olhares assustados e sabe que estão falando dele.

Ele enfrenta muita coisa, pois sabemos com as crianças podem ser maldosas, as vezes por inocência, pois não sabem que podem magoar alguém, mas as vezes elas só fazem isso por diversão, mesmo que não tenha graça nenhuma.

E tudo é tão difícil para o Auggie, mesmo ele já sabendo reconhecer os “olhares”, mas também é difícil porque as pessoas não querem encostar nele, com nojo ou com medo de ficarem parecidos com ele.

E é horrível pensar no que ele tem que passar e aguentar na idade dele, em todos esses desafios por causa da aparência que ele tem que aprender a aguentar.

Mas no meio de todo esse nojo, medo, horror que as crianças sentem dele, ele conhece a Summer e o Jack, que se tornam seus melhores amigos, mesmo que eles tenham que enfrentar muita coisa por ser amigo do Auggie.

Claro que não vou ser hipócrita e dizer que beleza não importa, porque importa pra todo mundo, mas o que o livro mostra, é que isso tem que ser o que menos importa, que a beleza que tem que importar é a beleza interior, mesmo que seja clichê falar isso. Porque quando conhecemos o Auggie e quando as pessoas da escola dele, aquelas que antes tinham nojo dele, o conhecem, nós vemos como ele é normal, engraçado, bem humorado, carinhoso, gentil, inteligente, que ele só quer ser tratado com igualdade, que é isso que ele merece.

Por isso esse é um dos melhores e mais importantes livros que eu já li, que tem uma lição de vida muito importante, que pra mim, deveria ser leitura obrigatória nas escolas, principalmente quando o bullying é um assunto tão abordado nas escolas, seria importante fazer as crianças ler e entender como é que aquela pessoa que sofre bullying se sente.

Concluindo – Esse livro pra mim deveria ser leitura obrigatória nas escolas, como falei, mas não só nas escolas, acho que todo mundo tem que ler esse livro, que é leve, divertido, tem uma escrita fluida e que ensina muito. Vale muito a pena ler esse livro maravilhoso.

Beijos e ótima leitura.

 

Uma pitada de amor

Autor (a): Katie Fforde
Editora: Record
Páginas: 400
Classificação: 4

download-4

Uma aspirante a cozinheira em um programa de TV. Um jurado muito atraente. Um amor proibido

Uma aspirante a cozinheira em um programa de TV, um jurado muito atraente e uma pitada de amor!
Quando Zoe Harper conquista uma cobiçada vaga em um reality show de culinária, ela mal pode esperar para pôr suas habilidades à prova. Sua principal motivação é o prêmio em dinheiro: um valor que certamente a ajudaria a abrir sua tão sonhada delicatéssen. 
No entanto, ela logo percebe que a competição vai muito além da cozinha. Cher, outra concorrente, está disposta a tudo para ganhar, incluindo jogar seu charme para cima dos jurados. E as coisas se complicam ainda mais quando Zoe percebe que está se apaixonando por um deles: o incrivelmente sexy Gideon Irving. Com tudo o que está em risco, os dois têm muito a perder caso se envolvam, algo que parece cada vez mais inevitável.
De repente, Zoe percebe que há mais em jogo do que apenas canapés, cupcakes e técnicas de corte. Uma pitada de amor é um livro engraçado e doce na medida certa.
• Uma pitada de amor foi vencedor do prêmio de melhor romance contemporâneo da Romantic Novelists’ Association, instituição inglesa que tem por objetivo promover a ficção romântica.

O livro de hoje é Uma pitada de amor, que é muito leve e divertido.

Ele conta a história da Zoe que vai participar de uma competição culinária, que acontece em uma casa mais afastada da cidade.

Ela chega mais cedo que os outros participantes e decide ir dar uma volta pelo jardim da propriedade. E quando ela senta para relaxar, vê um carro indo na rua errada da propriedade e logo se prontifica a ajudar o motorista, e percebe que ele é extremamente interessante, fisicamente falando, porque ele é um grosso, ignorante e um dos jurados.

Ela o ajuda e percebe que conhecê-lo antes pode ser proibido, então eles decidem manter esse segredo.

Ela volta para a casa onde será a competição e conhece Fenella, a dona da casa, que está grávida, com uma barriga enorme, e claro que a Zoe a ajuda a arrumar algumas coisas da casa, e elas vão se tornando amigas. O que é ótimo pra Zoe, porque quando ela conhece sua colega de quarto, a Cher, ela percebe que ali ela não vai ter amizade nenhuma.

A Cher é uma mulher linda, rica, folgada e que só quer ficar famosa, por isso participa da competição.

Como já foi dito, a Zoe, já conheceu um dos jurados, o Gideon, e começa a se interessar cada vez mais por ele, e a Cher percebe isso, e começa a reparar mais no modo como Gideon trata a Zoe, porque até aí, o Gideon vai se mostrando mais gentil com a Zoe, e a Cher não gosta disso, já que era ela que deveria estar recebendo as atenções, até porque ela é muito mais bonita que a Zoe, isso é o que ela acha.

A competição vai ficando mais difícil, a amizade da Zoe com Fenella vai ficando melhor, a atração pelo Gideon vai crescendo, e a Cher vai querer atrapalhar mais a Zoe na competição.

E isso faz a Zoe querer cada vez mais ganhar a competição.

Esse não é um livro com reflexões, é um livro mais leve e divertido.

Eu gostei bastante, achei a escrita bem fluida, e mesmo que não seja um livro mais sério, ele é bom por isso, as vezes é bom ler um livro, que é só entretenimento mesmo, e é o que acontece com Uma pitada de amor.

As vezes a Zoe é muito prestativa, e isso fica meio chato, porque ela se prejudica na competição, ela quer fazer todas as coisas pra todo mundo, e vai ficando chato isso no livro e a Cher também é muito exagerada na forma com ela é descrita, por ser muito estereotipada.

Mas é um bom livro de entretenimento, um típico chick-lit.

Conclusão – Eu gostei, vale a pena ler, tem um escrita fluida, leve e é divertido.

Beijos.

 

O garoto do cachecol vermelho

Autor (a): Ana Beatriz Brandão
Editora: Verus
Páginas: 294
Classificação: 4

download-1Uma história comovente, recheada de drama, suspense e romance. Melissa é uma garota linda, rica e mimada, que sempre consegue o que quer e tem todos na palma da mão. Ela acredita que a carreira de bailarina é a única coisa que realmente importa, porém suas certezas são abaladas quando faz uma aposta com um garoto misterioso, que parece ter como objetivo virar sua vida de cabeça para baixo. De repente, Melissa se vê dividida entre dois caminhos: realizar seu maior sonho, pelo qual batalhou a vida inteira, ou viver um grande amor. Mas, não importa aonde ela vá, todas as direções apontam para o garoto do cachecol vermelho… Com esta história intensa e apaixonante, Ana Beatriz Brandão vai emocionar e surpreender o leitor, provando que é uma jovem autora que tem muito a dizer..

 

Hoje vou falar do livro O garoto do cachecol vermelho, que é uma história muito emocionante.

Ele conta a história da Mel, que é uma menina rica, mimada e que tem tudo o que quer. A mãe dela é médica e não fica em casa e por isso dá tudo o que a Mel quer.

Mas esse tipo de comportamento da mãe dela, de dar tudo que ela quer, e quando falamos de dar tudo que ela quer, falamos de coisas materiais, porque a Mel só gosta de coisas caras e que mostrem que ela tem dinheiro, e isso prejudica o comportamento dela, porque ela se torna uma menina mesquinha, egoísta e que acha que tudo tem que ser do seu jeito.

A Mel quer ser bailarina profissional e essa é a única coisa que ela realmente se dedica.

Até que ela conhece um menino, chamado Daniel, que é um menino bom, que gosta de ajudar os outros, e que vê que a Mel precisa de ajuda, que o que ela vive na verdade é muito superficial.

E até então a Mel não percebia que na verdade o que ela precisa não são essas coisas materiais que ela tem, ela sente falta da mãe dela, que vive viajando a trabalho e não fica em casa pra se preocupar com ela da forma que ela gostaria, e quando ela começa a conviver com o Daniel, isso vai ficando mais forte, essa vontade de ter alguém que se preocupa com ela.

E o Daniel começa a mostrar o modo dele de conviver com as pessoas, a forma como ele gosta de ajudar as pessoas, e é claro que eles vão se aproximando mais, e se apaixonam.

Mas tem algumas coisas que a Mel não sabe, e isso vai mostrar se toda essa convivência com o Daniel fez diferença no comportamento dela, porque ela não vai poder mais ser egoísta.

Eu não gostei muito do livro a princípio, achei a forma como a Mel é descrita meio infantil, a forma como ela conversa com o Daniel não parece de uma jovem que está na faculdade, parece que ela está na escola.

E a forma de mostrar que ela é a mais popular da faculdade, também achei meio exagerado e meio chato.

Mas depois a história vai mostrando o crescimento dos personagens, vai aprofundando a história, mostrando principalmente o desenvolvimento e crescimento da Mel, e mostra como é importante esse crescimento dela como pessoa.

Ele fala de um tema muito importante, que muda a história, que dá uma transformada na história, em como eles vão abordar e superar esse tema, e mostra como nós as vezes somos preconceituosos com alguma coisas, alguns assuntos, e a Mel é muito preconceituosa, até que ela se vê na situação de conviver com pessoas que antes ela não teria contato, e vê como não tem nada a ver essa coisa de preconceito, que o importante é ajudar e ter compaixão pelo outro, não nojo, que é o que a Mel sente ao ver pessoas que são diferentes dela.

Conclusão – Como eu falei, achei o livro chato a princípio, mas depois a história vai abordando temas mais sérios e isso vai dando ao livro uma história mais madura, e torna a história bem emocionante, vale a pena a leitura.

 

Beijos.